Pharmacie sans ordonnance livraison rapide 24h: acheter viagra en ligne en France.

Redes.unb.br

PROPOSTA E IMPLEMENTAÇÃO DE PROTOCOLO DE TRANSFERÊNCIA DE
ARQUIVOS USANDO SEGURANÇA POR CHAVE PÚBLICA (Fast-TP)


Resumo

O Protocolo de transferência de arquivos (FTP) é muito bem definido, implementado e
utilizado pelo mundo. Apesar disto, algumas situações ocorrem onde seria desejável ter uma
forma mais simples, rápida, mas ainda confiável de transmitir informações entre cliente e
servidor. Neste trabalho apresentamos uma situação real de um projeto de cartão convênio
onde esta necessidade se faz presente. Estudamos o FTP e o Telnet e descrevemos
implementação do Fast-TP (Fast Transmission Protocol). A seguir efetuamos testes
comparativos entre o Fast-TP e o FTP tradicional. Finalmente apresentamos aspectos de
segurança da implementação do Fast-TP.

Abstract

The File Transfer Protocol is very well implemented, tested and widely used. Despite of that
there is some situations where it would be desirable to have more simple, faster, but still
reliable way of transmiting information between client and server. At this paper we present a
real life Card Project where there is this need. We have studied FTP and Telnet and describe
here an implementation of Fast-TP (Fast Transmission Protocol). After we compare
performance tests between Fast-TP and FTP. Finally we present some security aspects of
Fast-TP implementation.
1. Introdução

O FTP é um protocolo utilizado em larga escala por todo mundo e se propõe a fazer
transferência de arquivos entre cliente e servidor, bem como executar comandos, a partir do
cliente, sobre o sistema de arquivos do servidor. Uma comunicação FTP normalmente é
composta por uma fase de conexão, onde o cliente é autorizado, e seguida de uma fase de
operação na qual arquivos são transferidos e comandos são passados do cliente para o
servidor enquanto durar a conexão. Neste tipo de ambiente é comum um ser humano como
usuário final na máquina cliente e o tempo gasto com a fase de conexão é irrelevante, não
representando um problema para a operacionalização do processo.
Existem casos, no entanto, em que o usuário final no cliente é um aplicativo e não um ser
humano, e sua necessidade operacional se resume à transmissão de um ou dois arquivos
pequenos de/para o servidor. Neste tipo de ambiente o tempo gasto com o processo de
conexão passa a ser extremamente relevante.
Este artigo, partindo de um problema real de um projeto de cartão convênio, propõe um
protocolo que melhor atenda ao problema acima explicitado.
Este trabalho está organizado da seguinte forma:
A seção 2 apresenta a um projeto de de cartão convênio e uma breve descrição do Telnet. Na
seção 3 detalhamos o protocolo FTP e na seção 4 propomos o Fast-TP. Na seção 5
descrevemos os resultados obtidos com testes do protótipo implementado.
2. Exemplo de um Projeto de Cartão Convênio
Para ilustrar a citação do parágrafo anterior será descrito nesta sessão um projeto de um
Sistema de Cartão Convênio em que um aplicativo no cliente que faz uso do protocolo FTP
para se comunicar com o servidor e entendemos que esta comunicação poderia ser otimizada
se o protocolo Fast-TP fosse utilizado ao invés. Baseado neste exemplo pode-se estender a
mesma necessidade para uma diversidade de aplicações imagináveis.
Um projeto de cartão convênio vem da necessidade de mercado de que redes de lojas possam
fechar convênios com empresas para que os funcionários das empresas possam comprar na
rede. Normalmente as empresas querem ter limite de crédito para seus funcionários e querem
receber mensalmente um arquivo de importação sobre as compras efetuadas por seus
funcionários segundo algum layout determinado pela empresa. A empresa paga a rede
segundo o critério negociado, e desconta em folha de pagamento de seus funcionários
segundo sua política interna.
Em um projeto de cartão convênio, um módulo cliente do software da Administradora do
cartão recebe requisições de transações por parte de alguma automação comercial (software
de farmácia, supermercado, etc), se comunica com o módulo servidor da Administradora do
cartão, e retorna para a automação comercial as informações necessárias à efetivação da
transação (fig.1).
Está fora do escopo deste trabalho o detalhamento de que tipos de informações transitam entre
os dois aplicativos.
Fig. 1. Exemplo de projeto de cartão convênio. As informações trafegadas entre os módulos cliente e servidor do cartão são pequenos arquivos texto criptografados com Blowfish e autenticados com RC5 compostos de tuplas <parâmetro> = <valor> (fig.2). Exemplo de conteúdo de arquivo:
*********************************************************
oper = 10
pinpad = N
pdw = 123
cliente = 000000000000001478646748765423
nrterm = 0377734101675500
loja = 03777341016755
valor = 00003646
totvenda = 00003646
produto = 7897930761902; BENZAC WASH 60 gr galderma; ME; 017; 072; N;
0000002048;0000000100;
*********************************************************
Fig.2. Exemplo de informações transitadas entre os módulos cliente e servidor do Cartão
durante uma transação de venda
Como pode-se verificar, na realidade estes arquivos não chegam a conter 1 Kbyte de
informação, porém como a unidade mínima de tamanho de arquivo no Microsoft Windows é
de 1 Kb, este será o seu tamanho na maioria dos casos.
Na aplicação Cartão Convênio o protocolo de comunicação entre o cliente e o servidor da
administradora do cartão em uma operação normal de venda procede como o exemplo abaixo:
• Módulo Cliente envia arquivo .001 com informações pertinentes a autenticação do usuário
do cartão e aos produtos e valores da compra desejada. • Módulo Servidor valida informações recebidas com o banco de dados da administradora (p.ex: Nr de cartão OK, Cliente tem limite de crédito para aquele valor, etc) e retorna arquivo .002 para o cliente com a autorização ou negação da transação pedida. O tráfego de informações no protocolo acima descrito faz uso do Safe-FTP para comunicação
cliente-servidor. O Safe-FTP é um FTP em que os Headers do protocolo (como informação
de User e Senha do FTP) trafegam cifrados com a chave pública do servidor ou do cliente. Os
dados do pacote também podem ser opcionalmente cifrados [5].
Em testes reais efetuados foi observado que o tempo de uma transação Cartão Convênio varia
entre 50 a 70 segundos, sendo que cerca de 25 a 30 segundos são gastos com o processo de
conexão FTP. Em vista disso acredita-se que o tempo de uma transação Cartão Convênio
pode ser otimizado para a faixa de 30 a 50 segundos, o que faz grande diferença operacional
nos check-outs das lojas que operam este sistema.
3. Principais características do File Transfer Protocol
Os principais objetivos do FTP são: promover o compartilhamento de arquivos, transferir
arquivos entre hosts e permitir a execução de comandos em computadores remotos [6].
Principais processos envolvidos no FTP:
user-FTP process - Conjunto de funções que inclui um interpretador de protocolo, um processo de transferência de dados e uma interface com o usuário, que juntos executam a função de transferência de arquivos em cooperação com um server-FTP process. Server-FTP-process - Consiste de um interpretador de protocolo e um processo de transferência de dados. Executa a função de transferência de arquivos em cooperação com um user-FTP process. User-PI (User Protocol Interpreter) – Inicia uma conexão de controle a partir de uma porta P, inicia comandos FTP e governa o User-DTP se o processo é parte de uma transferência de arquivo. User-DTP (Data Transfer Process) – fica “escutando” na porta de dados por uma conexão do processo Server-FTP. Server-PI (Server Protocol Interpreter) – “Escuta” na porta P’ por uma conexão de um User-PI. Recebe comandos FTP de um User-PI, envia respostas e governa o Server-DTP. Server-DTP (Data Transfer Process) – Estabelece uma conexão de dados com o User-DTP. Define parâmetros para a transferência e armazenamento e transmite dados e comandos a partir de seu PI. Segundo o modelo do FTP, uma conexão de controle é iniciada pelo User PI. A conexão de controle segue o protocolo Telnet. Durante a inicialização, comandos FTP padrão são trocados, através da conexão de controle, entre o User-PI e o Server-PI. Comandos especificam parâmetros para a conexão de dados (porta, modo de transferência, representação de caracteres) e operações a serem executadas no sistema de arquivos remoto. O protocolo exige que uma conexão de controle esteja aberta enquanto existir transferência de dados em andamento. Normalmente é responsabilidade do usuário requerer o fechamento da conexão de controle. O FTP usa o protocolo Telnet na conexão de controle. Duas maneiras de implementar: na primeira o User-PI ou o Server-PI implementam as regras do Telnet diretamente em suas procedures; ou na Segunda, o User-PI ou o Server-PI fazem uso de módulos Telnet existentes no sistema. 3.1. Estabelecendo Conexão de Dados
A mecânica de transferência de dados consiste em setar a conexão para as portas apropriadas e selecionar os parâmetros para a transferência. Ambos, user e server-DTP possuem portas de dados default. A porta de dados default no user-process é a mesma da conexão de controle. No processo servidor a porta de dados default será a porta adjacente à porta de controle de conexão (ex. L-1). 3.2. Modos de Transmissão
Existem 3 modos de transmissão: Stream Mode onde o arquivo é transmitido como uma sequência de bytes, Block Mode onde o arquivo é transmitido em blocos com cabeçalho, e Compressed Mode com compressão de dados aumentando a largura de banda.
3.3. Comandos

O canal de comunicação entre o user-PI e o server-PI é estabelecido por uma conexão TCP do cliente para a porta padrão do servidor. O user-PI é responsável por enviar comandos FTP e interpretar as respostas recebidas. O server-PI interpreta comandos, envia respostas, e direciona seu DTP para preparar a conexão e a transferência de dados. O FTP deixa o controle de erros de bits perdidos a cargo do protocolo de camada inferior TCP. O File Transfer Protocol faz uso de várias especificações do Telnet Protocol para as comunicações através da conexão de controle. Os comandos são transferidos como “Telnet Strings” segundo a linguagem do Telnet e seguidos de caracteres de fim de linha. Por linguagem Telnet deve-se entender NVT-ASCII e por fim de linha dos comando, <CRLF>. 4. Proposta do Fast Transfer Protocol
O Fast-TP também é baseado em uma estrutura cliente servidor. A idéia inicial do protocolo é
procurar abstrair a etapa de conexão Telnet a fim de economizar uma significativa quantidade
de tempo.
O FastTP faz uso de sockets e funciona sobre o protocolo TCP (Transmission Control
Protocol). Um socket consiste, basicamente, de um endereço IP associado a uma porta [2].
Escolhemos a porta 550 para conexão do cliente com o servidor. O servidor funciona
escutando esta porta e em seguida estabelece uma conexão com o socket do cliente em outra
porta enquanto durar a comunicação ou com saída por time-out. O servidor opera em multi-
threads
, sendo capaz de atender a diversas solicitações clientes simultâneas. O Fast-TP
funcionará sobre quaisquer meios físicos em que se possa fazer uma transmissão TCP/IP (ex:
T1, fio telefônico, Radio freqüência) [10]
Nosso principal problema consiste em garantir autenticação do usuário sem a conexão Telnet.
Fig.4. Arquitetura do Fast-TP O Fast-TP continua com os módulos DTP e PI para fins de transferência de dados e interpretação de comandos suportados, porém substitui a User Interface por uma Application Interface, uma vez que ele é destinado primariamente a se comportar como componente (objeto) a ser utilizado por aplicações que necessitem de transferências rápidas de arquivos (fig.4). Observe que os outros módulos são essencialmente os mesmos que no FTP tradicional. Continuam sendo necessários os módulos interpretadores de protocolo (PI) em ambas as pontas, bem como os de transferência de dados (DT). Internamente os módulos funcionam diferentemente do FTP tradicional, porém graficamente a representação é similar. Quanto à representação dos dados, nosso projeto experimental é baseado somente em ambiente Windows, não sendo necessário fazer uso do NVT-ASCII ou qualquer outra tabela de conversão. A estrutura dos dados pode ser: File-structure – quando não existe estrutura interna e o arquivo é considerado como sendo uma sequência contínua de bytes; Como modo de transmissão foi implementado o Stream Mode [9]. A etapa de conexão Telnet na realidade é demorada pois é feita uma autenticação e login com o sistema operacional. Para a proposta de funcionamento do FTP este login é fundamental tendo em vista que o usuário será capaz, além de transferir arquivos, de executar comandos disponibilizados pelo servidor de FTP e repassados para a Shell do SO (sistema operacional). O Fast-TP, a exemplo do FTP, disponibiliza um conjunto limitado de comandos para com o SO. Uma vez que não existe um login com o SO diferente para cada usuário, optamos por rodar o servidor Fast-TP efetuando automaticamente o login dos clientes em uma conta anonymous e a disponibilização de comandos da Shell somente pode ser executada sobre arquivos criados pelo próprio usuário (owner). Como conseguir isto? Através de um ambiente baseado em infra-estrutura de chave pública [3]. Os pacotes de um arquivo ou de comandos são sempre cifrados com a chave privada do cliente e contem a chave publica do cliente em texto plano para que o servidor possa decifrar o resto do pacote e para fins de autenticação. Um hash do arquivo é acrescentado na origem e retirado no destino em qualquer comunicação cliente x servidor, e comparado para validação da integridade do arquivo. O servidor mantém uma tabela com os caminhos completos para os arquivos e a chave pública do usuário identificando o owner. Esta estrutura simples resolve nosso problema de performance ao evitar o login com o SO via Telnet. Resolve também o problema de execução de comandos sobre os arquivos transferidos fazendo com que o software servidor só execute comandos do próprio owner do arquivo. Embora deva-se levar em consideração que os algoritmos de criptografia assimétrica normalmente são lentos [4] e o protocolo SSL por exemplo, que é baseado nestes mesmos algoritmos, possui um custo computacional de 5-7 [12], vale lembrar que a proposta deste protocolo é para a transferência de arquivos pequenos, normalmente feita por aplicações. 4.1. Comandos de Serviço
RETRIEVE (RETR) , STORE (STOR) , APPEND (with create) (APPE) , RENAME , ABORT (ABOR) , DELETE (DELE) , REMOVE DIRECTORY (RMD) , MAKE DIRECTORY (MKD) , LIST (LIST). Dos comandos acima listados foram implementados o STORE e o RETRIEVE para fins de validação deste artigo e os outros estão em fase de implementação. 5. Implementação e Resultados Obtidos
Para validar o Fast-TP foram utilizados uma intranet TCP/IP sobre uma rede local ethernet
[1]. Um Servidor Pentium 1000 com 512 Mb RAM e Windows 2000; e três máquinas
Clientes Pentium 400 com 128 Mb RAM e Windows 98; O acesso cliente servidor foi feito
pela rede local e via internet por uma linha dedicada ADSL da Brasil Telecom.
Os softwares cliente e servidor foram desenvolvidos em Delphi 5 para plataforma windows.
Exemplo de uso do Fast-TP:
Uma aplicação chama o módulo cliente Fast-TP com o comando “Fast-TP Upload testecli.txt
testesrv.txt”. O módulo cliente entende que deve enviar o arquivo testecli.txt para o módulo
servidor e passa para o mesmo o nome testesrv.txt com o qual deverá ser criado no sistema de
arquivos do servidor
Os resultados podemos analisar na figura 5.
Tempo médio (em seg) após 10 medições para cada ambiente:
Após 10 medições de testes na Intranet, o tempo médio para conexão e envio de um arquivo
de 2k utilizando o Safe-FTP foi de 10 (dez) segundos. Já o tempo médio para conexão e
envio de um arquivo de 2k utilizando o Fast-TP foi de menos de 01 (um) segundo
Após 10 medições de testes na Internet, Tempo médio para conexão e envio de um arquivo de
2k utilizando o Safe-FTP foi de 20 (vinte) segundos. Já o tempo médio para conexão e envio
de um arquivo de 2k utilizando o Fast-TP foi de 05 (cinco) segundos
6. Trabalhos relacionados
RFC 959 [6] já descrito na seção 3.
RFC 854 [7] conforme descrito na seção 2.
The Safe-TP project [5] é um projeto em que existe o software cliente e o servidor Safe-TP.
Eles “escutam” a porta de saída/chegada de comunicação FTP e, se detectarem que a outra
ponta é um Safe-TP, cifram os dados antes de serem transferidos. Se a outra ponta é um
cliente ou servidor FTP comum, o processamento continua sem interferência. O principal
problema do safe-TP para nossa necessidade é o problema de ter que fazer uma conexão telnet
antes de efetuar operações sobre os arquivos.
O FTP lite provê funcionalidades básicas para clientes Unix que acessem um servidor FTP de
cada vez (single threaded) [8]. Apesar de um cliente mais simples ele recai no mesmo
problema de ter que fazer uma conexão telnet antes de efetuar operações sobre os arquivos,
além de não prover confidencialidade aos dados.

O PES (
privacy enhanced sockets) é uma alternativa de segurança para transmissões TCP/IP
cliente servidor [11]. A diferença para nossa proposta é que o PES utiliza Diffie-Hellman [13]
para fazer uma troca da chave secreta entre cliente e servidor e utilizar criptografia simétrica.
Tendo em vista que nossa proposta é para arquivos pequenos, o processo de troca de chaves
se torna mais dispendioso do que o ganho de performance da criptografia simétrica em
relação a cifrar os dados com criptografia assimétrica usada em nosso processo.

7. Conclusões e Trabalhos Futuros
Nossos testes permitem concluir que, nas condições para as quais o Fast-TP foi proposto ele
possui performance superior ao FTP tradicional. Isto foi conseguido eliminando-se a
necessidade da etapa de conexão Telnet que faz parte do processo de FTP tradicional.
Por isso o Fast-TP atende melhor ao caso real (descrito na seção 2) de um Projeto de Cartão
Convênio. Outras aplicações podem ter necessidades similares.
Em relação a aspectos de segurança: confidencialidade e autenticação são conseguidos com
cada usuário tendo um par de chaves pública e privada. Integridade é garantida por uma
função Hash. Nosso projeto não prevê geração e troca de chave secreta para criptografia
simétrica tendo em vista que o Fast-TP se propõe inicialmente a transferências de arquivos
pequenos (da ordem de 1 a 2 k), onde mesmo um algoritmo de criptografia assimétrica
processará rápido.

Como propostas futuras podemos estabelecer o Fast-TP multiplataforma, baseado na mesma
tabela NVT-ASCII de conversão de caracteres usada pelo Telnet.

8. Bibliografia

1. Tanenbaum, Andrew - Redes de Computadores, Editora Campus 1997. 2. Comer, Douglas - Interligação em redes com TCP/IP, Editora Campus 2000. 3. Stallings, William - Cryptography and network security, Prentice Hall 2000. 4. Schneier, Bruce – Applied Cryptography, Wiley 2000. 5. Dan Bonachea, Scott McPeak, SafeTP: Transparently Securing FTP Network Services", http://www.cs.berkeley.edu/~smcpeak/SafeTP/, UCB Tech Report CSD-01-1152, February 2001. 6. J. Postel, J Reynolds, RFC959 File Transfer Protocol, http://www.faqs.org/rfcs/rfc959.html, FreeSoft.org, out 1985. 7. J. Postel, J Reynolds, RFC854 Telnet Protocol, http://www.freesoft.org/CIE/RFC/854/, FreeSoft.org, mai 1983. 8. Douglas Thain, Ftp Lite Project, http://www.cs.wisc.edu/condor/ftp_lite/, University of Wisconsin – Computer Science Department, jan 2002. 9. Khare, Rohit, I Want My FTP: Bits on Demand, IEEE Internet Computing, vol.2, nr.4, 10. L.Rodney Long, High Speed Satellite Access to Biomedical text/image database, 11. Zuquete Andre, Guedes Paulo, Transparent Authentication and Confidenciality for stream sockets, Vol. 16, No. 3; JUN 1996, p. 34-41 12. Krishna Kant and Ravishankar Iyer, Arquitectural Impact of Secure Socket Layer on Internet Servers, 2000 IEEE International Conference on Computer Design, 2000 13. W. Diffie and M.E. Hellman, "New Directions in Cryptography," IEEE Trans. Information Theory, Vol. IT-22, No. 6, Nov. 1976, p 644-654

Source: http://www.redes.unb.br/ceseg/anais/2002/09.pdf

eleganttravel.ro

EGIPT 1302 APRILIE 31.01.2013 09:07 First Booking Egipt-Hurghada 05,12,19,26 Aprilie 2013 Plecare din Bucuresti si Cluj Napoca Preturile sunt in EURO/persoana in camera dubla Localitatea 05.04 12.04 19.04 26.04 Shams Safaga Hotel Magawish Swiss Inn Resort Hurghada Hurghada Golden 5 Hurghada Hurghada Imperial Shams Abu Soma Amc Azur Resort

nbghemergencydepartment.homestead.com

Ondansetron Decreases Vomiting Associated With Acute Gastroenteritis: A Randomized, Controlled Trial John J. Reeves, MD*; Michael W. Shannon, MD, MPH‡; and Gary R. Fleisher, MD‡ ABSTRACT. Objective. Relatively little research has examined the role of antiemetic agents in the treatment United States develop acute gastroenteritis of acute gastroenteritis. The use of the sele

Copyright © 2010-2014 Sedative Dosing Pdf